Logo revista Grada
Buscar

A fundação filipina da igreja matriz de Campo Maior (1584). Grada 167. Francisco Bilou

A fundação filipina da igreja matriz de Campo Maior (1584). Grada 167. Francisco Bilou
Foto: Cedida
Léeme en 4 minutos

Malgrado a generalização do ano de 1570 para o início da obra da igreja paroquial de Nossa Senhora da Expectação, matriz de Campo Maior, nenhum documento autoriza a defesa de data tão recuada. Bastará, aliás, atender à circunstanciada descrição feita pelo padre Tomé Mendes, nas ‘memórias paroquiais’ de 1758, para se apurar que esta igreja “teve o seu principio no anno de 1610”.

Os dados documentais que aqui revelamos também parecem corroborar esta cronologia mais tardia. Pese embora a maior certeza sobre este enquadramento temporal, sabemos agora que no final de 1584 a traça desta igreja já estava feita.

Sabê-lo com este rigor não é coisa pouca: a traça, como base fundamental das decisões técnicas, administrativas e financeiras da fábrica da obra, é a peça-chave de que carecia o estudo arquitetónico deste templo à luz da História da Arte. Não sendo aqui o lugar para essa análise, importa revelar e comentar esse documento fundador.

Com efeito, da leitura de um alvará de D. Filipe II (I de Portugal), de 12 de dezembro de 1584, não só se desfaz, finalmente, o equívoco da data de 1570, como resulta uma maior clareza documental sobre o significado artístico desta igreja no contexto da arquitetura chã que por esse tempo domina a construção religiosa portuguesa. Tal como sucede na maioria dos casos, a construção da matriz de Campo Maior resulta de uma necessidade prática combinada com a emergência dos novos preceitos tridentinos, num tempo em que a própria arquitetura do espaço sagrado é, simultaneamente, espelho da virtude religiosa da comunidade e símbolo maior da sua realização coletiva.

Pelo que agora ficamos a saber, o projeto de uma nova igreja paroquial, com capacidade para quintuplicar o número de fiéis no interior das suas três naves, foi assunto discutido pela primeira vez nas Cortes de Tomar de 1581.

Desde então, e por encargo do próprio rei, o bispo de Elvas ficou com a responsabilidade de negociar com as autoridades campomaiorenses os termos do financiamento partilhado dos custos da obra, as necessárias diligências administrativas e logísticas, bem como a localização mais adequada à construção de raiz do novo templo.

Esses autos de consulta e decisão não sobreviveram, mas tais diligências são recordadas no alvará régio de 1584. A saber: a igreja deveria ser construída no centro urbano da vila, havendo necessidade para melhor serventia da obra derrubar a Casa da Misericórdia, que era estrutura pequena e não tinha mais do que a sacristia; o local escolhido, ainda que implicando também a demolição da casa sobradada de André Afonso e mais dez moradas de casas de pouco valor, tinha a vantagem de ter poços de água necessários à obra; a área total de construção, cerca de 980 metros quadrados, distribuía-se por 68 côvados de comprimento e 48 côvados de largura, o suficiente para nele caber uma imponente igreja de três naves, coro e sacristia; o montante da obra de pedraria e carpintaria foi calculado por oficiais experientes em 7.500 cruzados, tendo por base a “Architectura e declaraçam do debuxo”.

Feita a traça, decidido o espaço de implantação e as respetivas condicionantes, contratualizada a responsabilidade das partes envolvidas e a forma de gerir a fábrica da obra, o maior óbice à persecução da empreitada passou a ser, como de costume, a boa arrecadação dos recursos financeiros. A finta no valor de 100 mil reais pedida aos moradores da vila e seu termo, calculado segundos os rendimentos pro rata pelo espaço de dez anos, mostrou-se tarefa difícil de executar.

Em 1589, com a obra ainda parada e dadas as dificuldades financeiras na arrecadação das sisas da vila, o rei fazia merce ao povo de Campo Maior “de aleuiar da fimta que deles se fazia” por mais cinco anos.

Tudo leva a crer, pois, que a edificação da igreja foi sendo adiada por falta de verba, ao ponto de “ter o seu princípio (apenas) no ano de 1610”, razão para se não estranhar que a empreitada demorasse mais de três décadas a concluir (1645).

Da autoria da traça da igreja campomaiorense e dos mestres que a tomaram de empreitada nada apurámos, nem esse é o tema que aqui nos ocupa. Mas vale a pena sublinhar o caráter erudito do projeto, talvez provindo da esfera régia, e entregue, provavelmente, a um bom oficial de pedraria da região, como era o caso do architecto André de Arenas, o mestre de Santa Maria de Olivença, falecido no ano da sagração deste templo (1627).

Eis o mais significativo da fachada da matriz de Campo Maior: duas torres sineiras flanqueadas e em andares como na Sé de Portalegre, porém, correndo à face da fachada; coro-alto fenestrado por três janelas de frontões alternados, conforme aos gravados serlianos; nártex aberto em arco muito abatido com portado recuado, lembrando o modelo da vizinha sé de Elvas e originalmente o da Madalena de Olivença; e balaustrada em mármore de Estremoz, obra tardia, feita certamente por mestres canteiros desta cidade.

ENTRADAS RELACIONADAS

Banca Pueyo ha inaugurado una oficina en Tomares, con el objetivo de afianzar su presencia en la provincia de Sevilla....
Varios miembros del Club Senior de Extremadura colaboran con el programa de la Universidad de Extremadura ‘Mentoring UEX’, cuyo objetivo...
La Institución Ferial de Extremadura Feval ha acogido la trigésimo sexta edición de Agroexpo, que ha venido marcada por la...
La Fundación Caja Extremadura ha entregado los premios de la tercera edición del Programa Sámara Emprende a las empresas extremeñas...
La Asociación Extremeña de la Empresa Familiar afronta 2024 con los objetivos de “seguir creciendo y continuar defendiendo y poniendo...
Las principales organizaciones y entidades del sector ganadero de la región han celebrado su encuentro anual, auspiciado por Caja Rural...

LO MÁS LEÍDO