Logo revista Grada
Buscar

Martim de Caburado, um mestre carpinteiro de Ciudad Rodrigo a trabalhar em Portugal. Grada 154. Francisco Bilou

Martim de Caburado, um mestre carpinteiro de Ciudad Rodrigo a trabalhar em Portugal. Grada 154. Francisco Bilou
Foto: Cedida
Léeme en 3 minutos

Já demos a conhecer nesta revista exemplos de transmigração laboral entre os dois lados da fronteira, realidade com que vimos acentuando a ideia de que as relações artísticas entre Portugal e Espanha foram uma constante ao longo do tempo, particularmente nos territórios raianos.

Desta vez trazemos o caso de um mestre carpinteiro que, em 1533, se contratou com o culto Infante D. Fernando (irmão do rei português D. João III e quarto filho de D. Manuel I e Dona Maria, filha dos Reis Católicos) para lhe fazer uma obra nas casas da fortaleza de Castelo Rodrigo situadas “à porta da traição”: três casas, uma sala e duas câmaras. Note-se que esta melhoria nos cómodos palacianos do Infante D. Fernando em Castelo Rodrigo surge na sequência do seu título nobiliárquico de Duque da Guarda e Trancoso (1530), de que, aliás, o Infante pouco haveria de gozar, pois morrerá logo depois, em novembro de 1534, com apenas 27 anos de idade.

A escolha de um mestre nos “reinos de Castela” para a fazer esta obra ficou a dever-se a Martim Teixeira, cavaleiro da casa do Infante D. Fernando, por já conhecer a qualidade do trabalho Martim de Caburado, talvez em Ciudad Rodrigo. No contrato assinado a 14 de junho de 1533, em Vila Nova de Foz Coa, nas casas de pousada de Francisco Gouveia, escrivão da fazenda do Infante, assertou-se que o mestre carpinteiro forraria as duas câmaras de madeira de castanho, com forro pela mesma altura de uma câmara chamada “d’El Rei que estava na dita fortaleza”, sendo a madeira bem limpa e lavrada.

Curiosamente, o contrato também exigiu ao carpinteiro espanhol algum trabalho extra de pedraria, o que não sendo propriamente uma novidade, constitui mais um excelente testemunho histórico da conhecida interdependência laboral dos dois ofícios. De facto, o contrato previa o derrube e substituição das altas chaminés medievais por umas de menor altura (apenas quatro palmos), telhar todas as casas igualdando os telhados com as pré-existências do castelo, bem como construir nas paredes canos de “boas telhas” para canalizar as águas pluviais para a grande cisterna castreja (ainda hoje existente; vide foto).

O contrato, detalhado ao nível da pregadura e fechos de portas e janelas, termina com uma expressão que ainda não havíamos encontrado em documentação tão antiga: a obra seria entregue “chave na mão”. Esta expressão, muito popular ainda hoje em Portugal, significa literalmente: sem outra mais preocupação para o cliente do que a de ter no final da empreitada a chave para abrir a porta.

Esta mesma expressão encontramo-la logo de seguida num outro contrato de pedraria e carpintaria, uma vez mais feito por um carpinteiro, João Luís, morador no Freixo de Numão, que se contratou a 20 de junho do mesmo ano para fazer “certas obras” ao dito Infante D. Fernando, desta vez no seu castelo de Numão e na Igreja e tulhas do lugar de Freixo (de Numão). Ambos os contratos estão no Arquivo Nacional Torre do Tombo, Corpo Cronológico, Parte II, mç. 138, doc. 105.

ENTRADAS RELACIONADAS

Banca Pueyo ha inaugurado una oficina en Tomares, con el objetivo de afianzar su presencia en la provincia de Sevilla....
Varios miembros del Club Senior de Extremadura colaboran con el programa de la Universidad de Extremadura ‘Mentoring UEX’, cuyo objetivo...
La Institución Ferial de Extremadura Feval ha acogido la trigésimo sexta edición de Agroexpo, que ha venido marcada por la...
La Fundación Caja Extremadura ha entregado los premios de la tercera edición del Programa Sámara Emprende a las empresas extremeñas...
La Asociación Extremeña de la Empresa Familiar afronta 2024 con los objetivos de “seguir creciendo y continuar defendiendo y poniendo...
Las principales organizaciones y entidades del sector ganadero de la región han celebrado su encuentro anual, auspiciado por Caja Rural...

LO MÁS LEÍDO