Logo revista Grada
Buscar

O Paço Real de Évora e os jardineiros valencianos Gómez Fernández e Filipe de Barrera. Grada 158. Francisco Bilou

O Paço Real de Évora e os jardineiros valencianos Gómez Fernández e Filipe de Barrera. Grada 158. Francisco Bilou
Foto: Cedida
Léeme en 4 minutos

Já aqui trouxemos a esta revista a notícia de Gómez Fernández, jardineiro valenciano contratado pelo rei D. João II para criar de raiz o horto do paço real de Évora. E aí vimos como as intenções do ‘Príncipe Perfeito’ ficaram expressas nesse contrato de 1493: “que a orta dos nossos paços da nossa cidade de Evora fosse prantada de arvores e ervas de vertude e fremosas de que convem as taes ortas serem enobrecidas” (Aurora Carapinha. ‘Gómez Fernández e a Horta do Paço a-par-de São Francisco’, ‘Monumentos’, N. 17, DGMEN, 2002, pp. 77-81).

Infelizmente, pouco sabemos sobre a extensão e organização interna desse espaço de recreio palaciano, mas o mais natural é que Gómez Fernández replicasse em Évora o modelo de jardim da zona levantina, tendo como referência o Palácio Real de Valência onde havia sido, aliás, “ortoal e guarda da dita orta”. Desse jardim valenciano existem algumas descrições coevas pelas quais sabemos ter sido um verdadeiro “paraíso terreal”, com zonas delimitadas com citrinos (laranjal, sobretudo), sebes de murta a rodear talhões de plantas medicinais e aromáticas, trepadeiras armadas artificialmente em túneis e caramanchões, caminhos mais ou menos de malha ortogonal, quase sempre pontuados a distâncias regulares por fontes, bancos e até capelas/oratórios.

O que sabemos com mais certeza é que, em 1504, foram feitas algumas despesas na horta dos paços de Évora, nomeadamente “as portas E os andajmos donde Elle (Gómez Fernández) fez as canjçadas E o cano que mandamos correger” (ANTT, Corpo Cronológico, Parte II, mç. 8, n.º 54), facto que, ao menos, aponta ao desenho de um jardim repartido por ‘quadras’ e onde não faltava a rega através de canalizações com água proveniente dos sobejos do antigo chafariz da rua da Selaria. Note-se que só após 1537 o jardim, horta e laranjal, passaram a ser regados diretamente com os sobejos do Aqueduto da Água da Prata.

Como seria de esperar, a presença em Évora do jardineiro valenciano foi muito estimada pelos reis portugueses. Em 1501, D. Manuel atribuía a Gómez Fernández o estatuto de escudeiro de sua casa, para, três anos depois, lhe dar um chão junto às terecenas para nele fazer casas e pomar.

Todavia, a 7 de junho de 1519 já não é ele, mas Filipe de Barrera, que recebe de Vasco Queimado, fidalgo da casa real e feitor das casas da Guiné e India, sete varas e meia de “panos pintados de cambaia” para o retábulo (da capela) do Jardim da Rainha. É este o documento: “Vasco queymado Nos ell Rey emviamos muito saudar encomendamo vos que mandeis dar ao Vallenciano que tem caRego do Jardim da Rainha mynha sobre todas muyto amada e prezada molher huma cortina para o retauolo que estaa no dito Jardim de qualquer pano que vos bem parecer”. (ANTT, Corpo Cronológico, Parte I, mç. 24, n. 88).

Esclareça-se que a família real havia chegado a Évora pouco tempo antes e o rei fazia por agradar à novel esposa, Dona Leonor (terceira esposa do rei D. Manuel, filha de Filipe I, ‘o Belo’, e de Joana, ‘a Louca’ de Espanha, e irmã do imperador Carlos V). Tendo em conta a dimensão da “cortina” recebida (8,25 metros de comprido), podemos conjeturar tratar-se de um bom retábulo pintado na capela privativa da rainha, estrutura já existente decerto desde o tempo de D. João II, mas talvez reformada na obra de ampliação dos Paços de 1513 a 1516, conforme a sua localização deixa supor.

O retábulo pode bem ser de 1519, quiçá obra de João de Espinosa, outro espanhol há muito radicado em Portugal e que por essa época detinha o invejável estatuto de “mestre da pintura” do rei. Mas não nos surpreenderia que este retábulo já existisse desde a década anterior, nesse caso talvez pintado por Francisco Henriques aquando da sua permanência na cidade (1508-1510). A ser verdade esta hipótese, não só o estatuto do pintor é compatível com uma tal encomenda, como a informação de “17 retábulos” constante na carta de quitação a Álvaro Velho de 1515, lavrada no término da empreitada de São Francisco, faz supor a existência de dois retábulos “de sobra” além dos 15 que sabemos pintados para outras tantas capelas da igreja (12 laterais, 2 colaterais e o da capela-mor). Certo apenas o facto de Filipe de Barrera receber sete varas e meia de panos pintados de cambaia e deles fazer uma “cortina” para o retábulo que decorava a “capela do jardim da rainha”.

Pese embora esta nossa convicção, o documento em causa presta-se a equívocos, pois conhece-se este jardineiro valenciano a trabalhar no “Jardim da Rainha”, mas em Lisboa. Contudo, o documento é assinado por D. Manuel a 7 de junho de 1519, em Évora, onde a corte permanece desde o mês anterior, e da leitura do documento nada indica que o rei se esteja a referir ao jardim do Paço da Ribeira.

Aproveite-se para atualizar o nome do jardineiro valenciano em Filipe de Barrera, tal como assina, e não Barreira como a documentação portuguesa sempre o refere. Este documento, por si assinado, esclarece sem margem para dúvida que ele é natural de Valência, onde o apelido é, aliás, bastante comum.

ENTRADAS RELACIONADAS

Banca Pueyo ha inaugurado una oficina en Tomares, con el objetivo de afianzar su presencia en la provincia de Sevilla....
Varios miembros del Club Senior de Extremadura colaboran con el programa de la Universidad de Extremadura ‘Mentoring UEX’, cuyo objetivo...
La Institución Ferial de Extremadura Feval ha acogido la trigésimo sexta edición de Agroexpo, que ha venido marcada por la...
La Fundación Caja Extremadura ha entregado los premios de la tercera edición del Programa Sámara Emprende a las empresas extremeñas...
La Asociación Extremeña de la Empresa Familiar afronta 2024 con los objetivos de “seguir creciendo y continuar defendiendo y poniendo...
Las principales organizaciones y entidades del sector ganadero de la región han celebrado su encuentro anual, auspiciado por Caja Rural...

LO MÁS LEÍDO